10/05/2009

A menina-mulher elefante

Que dúvidas não restem, esta VII Convenção das Delegações ficará na história da Ordem, por todas as razões. Depois, com mais calma, até vou escrever sobre isso com letras de ler e reter.
Certo é que ficará na história da minha fronha. Não, não fui vítima de agressões, pelo menos das físicas. Simplesmente caí totalmente desamparada no quarto de banho. Acordei às 6 da manhã, cheia de sede e para quê acender a luz? Sim, para quê? Julgava eu que era possível conhecer de olhos fechados um quarto onde estamos pela primeira vez. Erro. O meu nariz que o diga.

7 comentários:

Nicolina Cabrita disse...

Querida Patrícia,
E eu com esperanças que a cara amachucada fosse outra... Que neura! :-)
Bj solidário, com votos de rápidas melhoras

A Senhora disse...

Ui!
Isso dói!
Espero que melhore logo.

beijinhos.

Funes, o memorioso disse...

Também já me aconteceu. Em Amarante. Depois de ir às escuras ao quarto de banho, atirei-me bruto para cima do sítio onde julguei que estava a cama. Não estava. Estava a mesinha de cabeceira.

As melhoras rápidas e indolores - são os meus votos sinceros.

JP disse...

Caríssima,
Desejo-te as melhoras...
(Já agora, mata-me a curiosidade: onde andaste mesmo a meter o nariz?)
Beijocas

JM Coutinho Ribeiro disse...

Eu já lhe tinha dito que essas coisas da OA não fazem muito bem à saúde... :-)

J Lourenço Gonçalves disse...

Coitadinha da menina-colega.
Essas imprudências não se fazem em quartos estranhos...
Boas e rápidas melhoras

Patricia Lousinha disse...

Muito obrigada a todos. Isto está quase perfeito, perfeito. Nos entretantos, nada que a bela da base não tape e que os ben-u-ron 1000, não curem!