19/07/2010

No princípio era o verbo, a palavra e depois a rima

"(...) E foi assim doutora, foi assim. Prontos... galgou a encosta e prontos. Olhe, foi caçar. Não voltou mais. (...) Ele pode voltar doutora, eu sei que pode, faz 2 anos agora em Agosto. Mas sabe, é como a música que eu gosto muito, daquela novela da onda "tudo passa, tudo sempre passará" e agora eu tenho a minha vida feita de novo. (...) e não vou esquecer nunca o que vivi com ele e olhe que foram muitas coisas, sabe? Muitas. Que a vida é madrasta e foram mais de 25 anos, mas fiz a vida de novo, que há tanta vida lá fora. É como a novela e a música, sabe? Não adianta fugir nem mentir p'ra si mesmo agora, há tanta vida lá fora! (...)"

Não conheço a novela e muito menos a música (falha minha talvez). Mas fui agora pesquisar no universo Google, esse grande poço do conhecimento. E assim é. "Nada do que foi será de novo do jeito que já foi um dia". Depois digam que o exercício da advocacia não tem momentos grandes. Tem. E as histórias mais simples são sempre as maiores. E únicas. Como deve ser.

3 comentários:

jfaias disse...

E viva a simplicidade, sinceridade e outras coisas acabadas em dade, como a realidade. Trás-nos essa verdade das vidas de cada um, essa tua profissão. Bem hajas.

Márcia Elisa de Castella disse...

realmente maravilhoso !!! E fez me lembrar desta música...tão significativa :)

Patricia Lousinha disse...

Joaquim, Márcia, quem agradece sou eu!