14/09/2008

Nessun dorma

"Já viu Patrícia, quase 80 e vou agora sentar-me no lugar do mocho?"
Anteontem foi o último dia de A. aqui nesta vida. Não é, infelizmente, a primeira vez que alguém que me é próximo apaga a luz porque Lá em cima a resolveram apagar como que a dizer, vá, já chega de sofrer. Não foi algo com que não contassemos, mas porra, nunca se está à espera.
Uma questão torpe, vil e de pura especulação levou-o ao tribunal, a sentar-se no lugar do mocho, como ele dizia. Tudo porque do outro lado sempre lhe disseram, façam as obras, façam, que eu nem um prego.
A. fez. Sempre fez. Durante mais de 32 anos.
Não vai ser a mesma coisa, porque não o teremos cá, mas temos a certeza que quando esse dia chegar, o dia em que todos irão sentar-se lá no lugar do mocho, A. vai estar na primeira fila do palanque.
Aliás, já lá está e em Paz. A mesma que sempre teve, porque nunca deixou de a ter.

5 comentários:

Pedro Aniceto disse...

Dang! Abraços sentidos a tutti quanti.

Nicolina Cabrita disse...

Outro meu.

Vap disse...

E outro meu!

bilhas disse...

muito mais do que abraços sentidos! Um enorme abraço por um lindo texto, Lousinha! É mais do que merecido!

Rosarinho disse...

Gostava que me escrevessem assim um texto um dia. Lindíssimo.